Guanabara investe R$ 20 milhões em novas unidades

    Até 2015, o número de lojas da rede de supermercados Guanabara deverá aumentar em Rio Grande. O grupo está ingressando no conceito de unidades de bairro para acompanhar a expansão da cidade, explica o diretor da rede, Luiz Carlos da Silva Carvalho. Ele destaca que o desenvolvimento recente de Rio Grande tem alavancado mudanças positivas na curva de crescimento da rede de supermercados, que vinha presenciando um cenário de estagnação da economia local. O diretor do Guanabara não abre detalhes do projeto da futura loja de Rio Grande por “questões estratégicas” de mercado. “Mas posso garantir que, ainda este ano, seguramente estaremos apresentando o projeto de uma nova filial do supermercado para o município, e a previsão é de que as obras sejam realizadas já em 2013”, reforça.

    De acordo com o diretor da empresa, nos últimos três anos, a rede Guanabara renovou duas lojas pequenas naquela cidade – injetando recursos na ordem de R$ 6 milhões em uma delas e de R$ 4 milhões em outra. “Hoje em dia, temos condições de projetar uma expansão com muita segurança, coisa que não fazíamos há muitos anos”, admite Silva, ressaltando que o aumento do número de lojas também está focado em melhorar o atendimento e promover maior conforto e praticidade aos clientes, uma vez que, com mais filiais, a rede garante a condição de estabelecimento de bairro, “proporcionando estrutura grande o suficiente para viabilizar bons ranchos mensais e, ao mesmo tempo, servindo de local para as conveniências do dia a dia.”

    Também em Pelotas, o grupo já conta com projeto de implementação de nova loja, mais ampla e moderna no bairro Areal, próximo ao Centro da cidade. “Só está faltando aprovação da prefeitura de lá”, pontua Silva. Ele acredita que nos próximos três anos o grupo, que já é uma das maiores referências em supermercados na Metade Sul do Estado, deverá estar com formatação “bem diferente da atual”, referindo-se ao investimento de mais de R$ 20 milhões previsto para este período, quando deverão ocorrer inaugurações de outras filiais.

    A meta da rede é dilatar em 50% seu faturamento de R$ 23 milhões por mês. Com isso, o número de funcionários também deve aumentar. Atualmente as lojas do Supermercado Guanabara empregam 1.500 pessoas. O desafio de aumentar pela metade o faturamento está atrelado à sobrevivência no mercado e se tornou “prioridade”, frisa o diretor. Segundo ele, a empresa vem crescendo com força, graças ao aquecimento da economia brasileira, e apesar da concorrência de duas redes multinacionais em Rio Grande e de “várias” marcas regionais em Pelotas. 

    Evolução constante

    Em meados de 1950, Luiz Pereira de Carvalho foi trabalhar em um restaurante que se chamava Guanabara. Lá, fez carreira e, alguns anos depois, tornou-se sócio do estabelecimento. Não demorou para que o empreendedor buscasse ampliar seu comércio, e logo abrisse também um armazém de secos e molhados, que funcionava ao lado do restaurante. Posteriormente, o primeiro negócio cedeu lugar ao segundo, que, com o passar do tempo, foi transformado em um armazém de atacados. Na década de 1960, a parte de secos e molhados evoluiu para um minimercado.

    Cinco anos depois, surgia o primeiro supermercado que deu origem à rede Guanabara, atualmente com oito lojas, sendo que seis funcionam em Rio Grande, e as outras duas em Pelotas e São Lourenço do Sul. Em 1970, Carvalho inaugurou outra unidade do Guanabara, que foi considerada na época a maior loja do setor supermercadista do interior do Rio Grande do Sul.

    “Até hoje, esta é nossa principal operação”, conta o filho do empreendedor, Luiz Carlos da Silva Carvalho, atual diretor da rede. Em 1974, o fundador – que hoje é diretor-presidente da empresa – passou a apostar em outros ramos de atividade, aumentando os nichos de mercado do Grupo Guanabara. “Temos revenda de automóveis, uma pequena locadora de veículos e trabalhamos nas áreas de hotelaria e rural”, enumera o diretor da rede de supermercados do Grupo.

    Fonte: Jornal do Comércio 18/06/2012



    Comentários