Estruturas metálicas começam a dar forma à estação de integração do Cassino

    Com a proposta de democratizar o atendimento aos moradores, trabalhadores e visitantes do balneário Cassino, começou a ser construída, no último mês de junho, a estação principal de integração (EPI) do Cassino, na avenida Atlântica, próximo à entrada da Querência. A obra, com prazo de execução estipulado em 120 dias, possibilitará aos usuários do transporte coletivo, que utilizam as linhas do balneário, integrar com até três coletivos no mesmo sentido. Podendo utilizar a linha Circular Cassino, Cassino e Quinta pagando apenas uma tarifa de ônibus. Também poderá integrar com Dique Seco, via Furg Centro, Cassino e Circular Cassino, por exemplo.
    Conforme informou a titular da Secretaria Municipal de Segurança, dos Transportes e do Trânsito, Rúbia Mara Rodrigues, o andamento das obras está dentro do esperado. A secretária explicou que a obra está ainda em fase de drenagem do terreno e implantação da estrutura metálica. Após serão colocadas as estruturas de apoio e concluída a pavimentação no local. Segundo ela, a previsão de conclusão da obra é para a segunda quinzena de setembro.
    Com orçamento estimado em R$ 1.296.445,24, a EPI Cassino terá duas plataformas (de embarque e desembarque) e 9 boxes para os ônibus. Além disso, a estrutura terá sanitários públicos separados por sexo e sanitários adaptados para pessoas com necessidades especiais; bilheteria; sala múltipla para informações, gestão e fiscalização, equipada com banheiros; sala de controle e expedição para a empresa concessionária, também equipada com banheiro e armários; guarita de segurança; e quiosque para exploração comercial. Tudo isso está sendo construído no terreno com 6.594,30 metros quadrados de área total, situado na avenida Atlântica, na área institucional, entre as ruas Antônio Caringi e Max Swoboda e a rua Dom Pedrito. Ao todo, 824,25 metros quadrados serão destinados às plataformas, 1.166,20 metros quadrados à cobertura superior e 105,52 metros quadrados às edificações. 
    De acordo com o memorial do projeto arquitetônico da obra, nas plataformas, o abrigo propriamente dito, é composto por pórticos metálicos elípticos e cobertura dupla. Além destes elementos, completam a estrutura da EPI, bancos, barras de descanso, calhas, tubos de queda pluvial, iluminação, lixeiras e painel publicitário ou informativo. As faixas de rolamento deverão permitir ultrapassagem e ter raios de giro que permitam a circulação dos veículos de transporte coletivo de maior raio de giro (ônibus articulado). Na EPI haverá ainda disponibilidade de área e será prevista uma área de mangueira para espera dos veículos e regulagem das partidas. As conexões entre as plataformas deverão ser realizadas através de faixas de segurança devidamente tratadas com dispositivos de traffic calming (elevação do piso e pintura de faixa zebrada).
    A Estação Principal do Cassino está dentro do Plano de Mobilidade Urbana do Município, que envolve a criação de seis Estações Principais de Integração (EPI). São elas a EPI Super Porto, localizada na BR 392, na área institucional, entre a “Rua A” e a “Rua B”, próximo ao trevo da rodovia com a Via Portuária; EPI Trevo, localizada na RS 734 Av. Itália, próximo ao trevo de acesso com a BR 392; EPI Quinta, localizada na Rua Virgínio da Porciúncula, próxima à BR 392; EPI Junção, localizada na Av. Itália com a Rua Saturnino de Brito; EPI Cassino; e EPI Tamandaré, localizada na Praça Tamandaré, nas ruas 24 de Maio, Luiz Loréa e General Neto. A última também está em fase de construção e com previsão de entrega da primeira plataforma ainda para esta semana. As demais ainda não têm previsão para o início das obras.
    Fonte: Jornal Agora
    Comentário meu – importante ressaltar, não é uma nova estação rodoviária, é uma estação de integração, que permitirá que alguém vá, por exemplo, do Povo Novo ao Cassino utilizando apenas uma passagem.
    Posts relacionados:



    Comentários