Agenda 20/08/2012 – Assinatura da ordem de serviços – BR-116 e Contorno de Pelotas

    Acontece hoje, às 11 horas, no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) em Pelotas a assinatura das ordens de serviço para início das obras de duplicação da BR-116 entre Guaíba e Pelotas e do chamado “Contorno de Pelotas”.
     
    Participam do ato o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, o diretor-geral do Dnit, Jorge Fraxe, o superintendente regional do Dnit, Vladimir Casa, e os 11 responsáveis pelas construtoras e consórcios contratados para executar as duas obras (nove da duplicação da BR-116 e duas da duplicação do Contorno de Pelotas).

    Mesmo com a ordem de serviço sendo dada para todas as empresas, as obras entre os lotes 1 e 2 da BR-116 ainda terão que aguardar mais uns dias para começar, pois o Dnit ainda aguarda resposta da Fundação Nacional do Índio (Funai) para resolver pendências relativas a presença de comunidades indígenas nas margens da rodovia. 
    As empresas aguardam agora conseguir do Ibama as licenças para instalações dos canteiro de obras e jazidas de areia. A liberação deve ocorrer num prazo de até 90 dias. Neste período, as construtoras já podem realizar serviços como levantamento topográfico, limpeza de bueiros e retirada de vegetação da faixa de domínio. A expectativa do Dnit é que as duas obras, com máquinas na pista, possam iniciar entre novembro e dezembro.

    A obra no Contorno de Pelotas, da ponte do Retiro (na BR-116) ao Canal São Gonçalo (na BR-392), está orçada em R$ 430,6 milhões. 



    Lote 1 A = Construtora HAP Engenharia Ltda.

    Lote 1 B = Consórcio SBS Engenharia e Construções AS., MAC Engenharia Ltda e Construtora Pelotense Ltda.

    Viadutos:
    * BR-116 próximo a unidade da Josapar na Vila Princesa;
    * BR-116 no acesso à Avenida Fernando Osório;
    * BR-116 no acesso à Avenida Leopold Brod (Sítio Floresta);
    * BR-116 no acesso à Avenida 25 de Julho;
    * BR-116 na intersecção com a BR-293 e BR-392 (trevo da Fenadoce);
    * BR-116 no acesso à Avenida Herbert Hadler;
    * BR-116 no acesso à Avenida Cidade de Lisboa;
    * BR-116 no acesso à BR-392;
    * BR-392 no acesso à Avenida Duque de Caxias;
    * BR-392 sobre a rede ferroviária;
    * BR-392 na intersecção com Av. Viscondessa da Graça.

    Pontes:
    * BR-116 sobre o Arroio Pelotas (Retiro), inclusive substituição da atual;
    * BR-116 sobre o alagado da Barragem Santa Bárbara, inclusive reforço da atual;
    * BR-392 sobre o canal Santa Bárbara, inclusive alargamento da atual.


    Veja no mapa interativo a localização das pontes e viadutos:


    Visualizar Caminhos da Zona Sul em um mapa maior


    A duplicação da BR-116 entre Guaíba e Pelotas está orçada em quase R$ 900 milhões.

    Lote 01 = empresa Constran – 24,46 km – Do km 300,54 ao km 325,00;
    Lote 02
    = empresa Constran – 26,34 km – Do km 325,00 ao km 351,34;
    Lote 03
    = empresa Ivaí – 21,88 km – Do km 351,34 ao km 373,22;
    Lote 04
    = Consórcio Pelotense e CC – 23,98 km – Do km 373,22 ao km 397,20;
    Lote 05
    = consórcio Brasília Guaíba e Ribas – 25,12 km – Do km 397,20 ao km 422,30;
    Lote 06
    = consórcio Pelotense e CC – 26,20 km – Do km 422,30 ao km 448,50;
    Lote 07
    = empresa Sultepa – 21,60 km – Do km 448,50 ao km 470,10;
    Lote 08
    = empresa SBS – 18,90 km – Do km 470,10 ao km 489,00;
    Lote 09
    = consórcio Mac e Tardelli – 22,76 km – Do km 489,00 ao km 511,76.

    Acesso a Arroio do Padre: Atualmente não há dispositivos para estruturar o fluxo. Com a duplicação, será construído um viaduto sobre a rodovia.

    Travessia urbana de Turuçu: Hoje não existe qualquer dispositivo para organizar o trânsito. Com a obra, haverá um viaduto e ruas laterais no trecho.

    Acesso a São Lourenço do Sul: O acesso é feito por meio da RS-265. Há um conglomerado urbano às margens da BR-116. Serão construídos um viaduto e ruas laterais para separar o trânsito de longo curso do tráfego local. Também serão construídos retornos para as ruas laterais. Atualmente, há no trecho uma rotatória simples. (imagem abaixo)

























    Travessia Urbana de Coqueiros: no local, serão construídas ruas laterais e dois retornos para permitir o acesso à cidade. Hoje não há dispositivos para facilitar a travessia para Coqueiros.

    Travessia urbana de Cristal: Cristal é cortada pela BR-116. A ligação entre os bairros se dará por meio de um viaduto. Também serão criadas ruas laterais para atender à cidade. Outra modificação é a transposição dos lados da rodovia com passagem inferior, que possibilitará o retorno às ruas laterais e travessia entre os lados da BR. Hoje não há dispositivos para regular o trânsito no local..

    Travessia urbana de Camaquã: a cidade fica às margens da rodovia, à direita de quem vai no sentido Guaíba-Pelotas. Serão construídas ruas laterais que darão acesso ao distrito industrial localizado pouco antes do acesso principal à cidade. Também haverá duas passarelas para pedestres. Hoje o trecho não conta com dispositivos para estruturar o fluxo de veículos. No acesso principal a Camaquã, será construído um viaduto. No segundo acesso à cidade, a obra prevê uma rotatória alongada onde hoje há uma rotatória simples. 

    Travessia Urbana de Camaquã (Bairro São Carlos): além de ser um distrito industrial, também tem áreas residenciais. Hoje a travessia é feita sem a ajuda de qualquer dispositivo que organize o fluxo. Com a obra, haverá ruas laterais e dois retornos operacionais para permitir movimentos de conversão para acesso ao bairro.

    Acesso secundário a Arambaré: o acesso principal à cidade é feito por Camaquã. Com a obra, o segundo acesso próximo à ponte sobre o Arroio Velhaco terá dois retornos operacionais que funcionam como uma rotatória alongada. Hoje não há dispositivos para estruturar o tráfego no local.

    Acesso a Tapes e Sentinela do Sul: além de ser um aglomerado urbano, tem entroncamento com a RS-715 e RS-717. Por um lado da BR-116, o motorista acessa Sentinela do Sul; pelo outro, Tapes. Atualmente há uma rotatória simples no local. Com a duplicação, será construído um viaduto transversal.


     
























    Sertão Santana: o acesso à Mariana Pimentel é feito por meio da RS-713. O comércio no local será preservado. Serão construídas ruas laterais. A rotatória simples que hoje existe no trecho será alongada para direcionar o fluxo da região.

    Mariana Pimentel: o acesso à Mariana Pimentel é feito por meio da RS-711. Não há qualquer dispositivo que organize o fluxo no trecho. O projeto prevê uma rotatória alongada e ruas laterais para facilitar o acesso à cidade.

    Barra do Ribeiro: o acesso à cidade é feito pela RS-709. Há aglomerados urbanos nos dois lados da BR-116. Com a obra, o trecho terá um trevo com viaduto e ruas laterais. O projeto prevê também dois retornos para permitir a entrada e a saída pelas ruas laterais.

    Pedras Brancas: Atualmente, há uma rotatória no local, que será alongada com a duplicação. Também serão construídas ruas laterais para dar acesso ao bairro, que pertence à cidade de Guaíba.



    Comentários