Petrobras oficializa construção de 3 navios-sonda em Rio Grande

    A Petrobras enviou a pouco comunicado ao mercado confirmando a assinatura de contrato para a construção de 3 navios-sonda no Estaleiro Rio Grande 2 (ERG2). Segue a íntegra do comunicado.
    A Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras – informa que assinou hoje, contratos com as empresas Sete Brasil, Odebrecht e Etesco para o afretamento e a operação de nove navios-sonda de perfuração. Os navios serão construídos no Brasil, com percentuais de conteúdo local variando de 55 a 65%. Após a construção, as sondas serão afretadas à Petrobras por um período de 15 anos. Com essa operação, a Companhia conclui o processo de contratação de 21 sondas negociadas com a Sete Brasil.


    Dos seis navios-sonda a serem construídos no Estaleiro Enseada Paraguaçu, em Maragogipe (BA), quatro serão operados pela Odebrecht e dois pela Etesco. Esse estaleiro está em fase inicial de construção. Os outros três navios-sonda de perfuração serão construídos no Estaleiro Rio Grande 2, no município de Rio Grande (RS), todos operados pela Etesco.  O estaleiro Rio Grande 2 está em ampliação para atender ao crescimento da demanda da construção naval no Brasil.
    A Petrobras fez uma análise prévia nos estaleiros para avaliar a capacidade potencial de atendimento aos compromissos contratuais de construção dessas sondas, incluindo conteúdo local mínimo e os prazos exigidos. Foram verificados a capacitação técnica; construção do estaleiro e terreno, evidências de compromissos com fornecedores dos insumos e principais pacotes de equipamentos, licenciamento ambiental, gestão contratual e aspectos jurídicos e financeiros.
    Essas nove unidades serão entregues a partir de 2016 e serão destinadas principalmente à perfuração de poços no pré-sal da Bacia de Santos, incluídas as áreas da Cessão Onerosa. Essas sondas poderão operar em profundidades de água de até 3 mil metros, com capacidade de perfurar poços de até 10 mil metros de comprimento.

    Atenciosamente, 
    Relacionamento com Investidores.



    Comentários