Vale a pena ler: Revista Exame destaca “Acabou a mamata na Petrobras”

    Desde que a executiva Maria das Graças Foster assumiu a presidência da Petrobras, em fevereiro, muitos funcionários passaram a ter medo de atender o telefone. O temor é ouvir, do outro lado da linha, o pedido de uma informação urgente da própria Graça, que passou a ligar para funcionários de patente mais baixa quando executivos não têm a resposta na ponta da língua.

    Os telefonemas se multiplicaram nos primeiros meses após sua posse, enquanto Graça comandava um pente-fino na companhia e se preparava para apresentar o primeiro plano de negócios de sua gestão. Na apresentação do plano, em setembro, uma das primeiras páginas dizia: “Historicamente, os projetos da Petrobras atrasam”.

    Na projeção seguinte, uma tabela revelava os problemas da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, que a Petrobras está construindo em sociedade com a estatal venezuelana de petróleo. Em vez de ficar pronta em 2011, a refinaria só deve ser inaugurada em 2014, com três anos de atraso.

    Ao lado da coluna de adiamento de prazos, outra coluna mostrava que o custo inicial da obra, de 2,3 bilhões de dólares, já havia passado por cinco revisões. Agora está em 20 bilhões — nove vezes o original. Na mesma página, uma última linha diagnosticava o problema: “Falhas no acompanhamento físico e financeiro”.

    O recado, ao final da apresentação, foi claro. Falhas em projetos como o da refinaria e das inúmeras plataformas que estão atrasadas e com orçamento estourado são consideradas por Graça responsabilidade tanto da Petrobras quanto dos fornecedores. E a ordem, agora, é acabar com o atraso de obras e encomendas e também com a renegociação de preço de contratos.

    Para ler a reportagem completa, clique aqui.

    ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook 

    Siga o Blog no Twitter
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários