Ultrablast: Pintura dos cascos dos FPSOs no Estaleiro Rio Grande terá tecnologia menos poluente

    A brasileira Ultrablast prevê concluir até o final deste ano a pintura do casco da P-66, em construção no estaleiro Rio Grande (RS), usando pela primeira vez a tecnologia de hidrojateamento de alta pressão no preparo integral de superfície do casco de uma unidade offshore no Brasil. O grupo já havia empregado a solução no estaleiro Atlântico Sul, mas apenas parcialmente. 

    A tecnologia de preparo de superfície a base de água foi incorporada pela empresa a partir de uma parceria firmada com a francesa Lasarrat, em 2011.

    O método, que envolve pressões de até 40 mil psi, visa a substituir o uso da granalha de aço, que é mais poluente, na retirada de tinta velha, ferrugem e corrosão. “É uma novidade no mundo”, afirma o diretor Comercial da Ultrablast-Lassarat, Flávio Dias.

    O contrato do serviço prestado envolve a aplicação da tecnologia nas outras sete unidades replicantes que serão construídas em Rio Grande. Encomendada pela Petrobras, a P-66 será instalada no campo de Lula, no cluster do pré-sal, na Bacia de Santos. A Ultrablast Lassarat, empresa do Grupo Lassarat para o Brasil, iniciou suas atividades no país tendo como alvo principal os estaleiros navais e a Indústria petroquímica, tem sua sede no Rio de Janeiro (RJ). 

    Com informações de João Montenegro, do portal Energia Hoje.
    ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook 

    Siga o Blog no Twitter
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários