Rosane de Oliveira sobre o polo naval de Rio Grande: Mutirão para reduzir impacto de demissões

    No encontro que teve ontem com o ministro do Trabalho, Manoel Dias, o secretário estadual do Trabalho, Luis Augusto Lara, apresentou um problema que lhe tira o sono desde sábado: como realocar os 11 mil trabalhadores que, até dezembro, perderão o emprego no Polo Naval de Rio Grande.

    Lara teve noção do tamanho do desafio no fim de semana, quando esteve em Rio Grande e se reuniu com o gerente administrativo da Petrobras, Josenildo Alves, e com o coordenador de Apoio à Gestão, Gustavo Martinato, e conheceu o chamado “plano de desmobilização”, um eufemismo para demissões.

    Um gráfico apresentado ao secretário mostra que hoje as empresas que constroem plataformas para a Petrobras, junto com seus sistemistas, empregam 19.191 trabalhadores. Com a conclusão da P-55, que deve ser entregue no dia 16 de setembro, com a presença da presidente Dilma Rousseff, e da P-58, em dezembro, esse número cairá para 7.950 no final do ano. Ao longo de 2014, os trabalhadores serão aproveitados em novos projetos, mas a ocupação de mão de obra em Rio Grande e no entorno chegará a 12.465 em dezembro de 2014.

    Às 10h de hoje, o secretário terá novo encontro com o ministro para discutir a contratação dos trabalhadores por outros fornecedores de serviços para a Petrobras. O ministro garante que há vagas no Rio, na Bahia e em Pernambuco. Parte dos desempregados deverá ser aproveitada em São José do Norte e parte em Charqueadas.

    A preocupação de Lara é com o problema social que a dispensa pode provocar e com a perda de mão de obra especializada na indústria naval, uma área na qual o Rio Grande do Sul pretende se tornar referência.  

    Fonte: Rosane de Oliveira – Página 10 – Jornal Zero Hora
    ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários