Entrevista – Marcelo Campos fala sobre a negociação envolvendo 30% da Ecovix e os próximos desafios da empresa no Polo Naval de Rio Grande

    Na última semana foi noticiada a venda de 30% da Ecovix para um grupo de 5 empresas japonesas. Para entender o que envolve essa transação, e os impactos disso no Polo Naval de Rio Grande, conversamos com Marcelo Campos, graduado em Engenharia Química pela UFRJ e Administração pela Unigranrio, pós-graduado em Gestão Empresarial e Pós-graduando em Petróleo e Gás. Marcelo é diretor da Câmara Setorial de Equipamentos Navais e Offshore pela Abimaq e diretor da Câmara Sueca e da Câmara Alemã no Brasil. 1) A Ecovix venceu licitação para a construção de 8 cascos FPSO para a Petrobras e 3 sondas de perfuração para a Sete Brasil. Quais os desafios da companhia para entregar produtos de tamanho vulto nos próximos anos?Marcelo Campos: A Indústria Naval Brasileira enfrenta o desafio de se tornar produtiva com recursos humanos escassos e com pouca qualificação. Muito embora a Ecovix possua uma estrutura de produção adequada aos seus projetos, se fazem evidentes alguns desafios para a empresa, destacando-se os gargalos na infraestrutura da cidade de Rio Grande, a ausência de uma cadeia de fornecimento Offshore local, a escassez de mão-de-obra e os atrasos nos prazos de fornecedores, que acabam por pressionar os cronogramas físico-financeiros dos projetos e por consequência, trazem desafios ainda maiores com enorme grau de imprevisibilidade. 

    Vale lembrar, que a empresa possui em seu portfólio o Maior Projeto Offshore do Mundo, algo que jamais havia sido feito por uma única empresa, ainda mais em se tratando de uma empresa brasileira, que só recentemente retomou o caminho do crescimento no mercado Naval e Offshore.

    2) A Funcef (Fundação dos Economiários Federais) foi parceira da Ecovix no Estaleiro Rio Grande, quando da compra do empreendimento junto a WTorre (a proporção é de 75% para a Ecovix e 25% do Fundo, na sociedade do RG Estaleiros). Qual a importância para a Ecovix de ter agora parceiros que atuam no mercado, como é o caso da Mitsubishi Heavy Industries, que entre outras áreas tem negócios na fabricação de navios?

    Marcelo Campos: A entrada de um parceiro como a MHI completa o portfólio da Ecovix com a troca tecnológica, pois os japoneses ainda são um dos maiores construtores navais do mundo, com um know-how de décadas, desenvolvendo soluções para os mercados navais de todo o mundo. Além disso, fala-se em dar sustentabilidade ao mercado naval/offshore brasileiro, o que só pode ser conseguido através de um desenvolvimento das cadeias produtivas, seja por arranjos produtivos locais (APLs) ou através de intercâmbios tecnológicos como este entre a empresa e os japoneses.

    Vale lembrar que os japoneses já haviam mostrado interesse no mercado brasileiro, fato que pode ser evidenciado pela parceria deles com o Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP).

    3) Todas as encomendas da Ecovix estão ligadas, direta ou indiretamente, a Petrobras, uma empresa que recebe constante interferência do Governo Federal. O quanto isso pode atrapalhar ou ajudar os planos da companhia e como os grupos japoneses devem lidar com isso a partir da entrada na empresa?

    Marcelo Campos: Na verdade, não vejo nenhum problema em termos a Petrobras como empresa mista (privada + estatal) neste caso, pois a interferência do governo tem um escopo mais amplo, com cunho sócio-econômico e voltado para desenvolvimento da economia brasileira, uma vez que o peso da empresa no PIB é muito expressivo e seria mais do que natural esperar que empresas deste porte tenham um papel como o desempenhado pela Petrobras. 

    Investimentos como os que tem sido feitos no Brasil, apenas ocorrem quando se tem segurança jurídica, política e estabilidade econômica, o que pode ser evidenciado pela vinda de grandes grupos estrangeiros como os japoneses. Nenhum destes grupos viria para o Brasil sem todos estes fatores bem equacionados, o que acaba por mostrar que o país segue atrativo para investimentos externos de grande monta.




    Comentários