Presidente da ABTP aborda polêmica sobre o possivel investimento brasileiro em porto no Uruguai

    Com o salão da Câmara de Comércio lotado de representações e autoridades municipais na reunião-almoço Tá em Pauta, o diretor-presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), Wilen Manteli, palestrou na última semana sobre “A Situação dos Portos Brasileiros” e, também, sobre “A Questão do Porto no Uruguai”.Abrindo o evento, em uma breve fala, o presidente da Câmara de Comércio, Renan Lopes, enfatizou a necessidade de o Porto do Rio Grande ser mais competitivo e ainda comentou sobre o apoio do Governo Federal para inauguração de um Porto em Cuba. Também fez referência à notícia sobre o financiamento brasileiro para a construção de um porto estrangeiro. “Segundo informações, o calado do porto do Uruguai seria de 20 metros, enquanto que o do Rio Grande tem 14 metros”, salientou. “Do investimento de US$ 1 bilhão no Uruguai, 60% deste valor será dado pelo BNDES. Ao mesmo tempo, faltam recursos para melhorar a infraestrutura de Rio Grande, São José do Norte e Pelotas. Temos que lutar para que esse financiamento não aconteça ou que os valores a serem investidos pelo Brasil sirvam para beneficiar o nosso Porto”, disse.

    Fonte: Leandro Carvalho – Jornal Agora

    Antes de comentar sobre a possibilidade de investimento do Brasil em um porto no país vizinho, Manteli apresentou dados que apresentam a situação dos portos brasileiros.  De acordo com o diretor-presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), em 2013, entre todos os portos, o Brasil movimentou 931 milhões de toneladas em cargas e 8,9 milhões de contêineres. Só o Porto do Rio Grande movimentou, no ano passado, 33 milhões de toneladas de cargas e 626 mil contêineres. Ainda segundo Manteli, cerca de 60% da movimentação de cargas é realizada por Terminais Portuários de Uso Privativo (TUP), enquanto que a fatia dos 34 portos públicos é de, aproximadamente, 35%.

    O diretor-presidente também mencionou aspectos da Nova Lei dos Portos, de n° 12.815, sancionada pela presidente Dilma Rousseff no ano passado. Dentre eles está a ampliação e modernização dos portos e a abertura e atração de novos investimentos. Manteli apresentou alguns desafios do porto rio-grandino, como a sinalização dos canais, a manutenção do calado permanente e a homologação de calado que permita operar grandes navios. Por fim, ele comentou sobre as notícias de financiamento brasileiro para a construção do Porto de Rocha, no Uruguai. Também explicou que já pediu explicações à presidente, mas não obteve esclarecimentos. A verdade é que as notícias estão circulando. Acho que o Uruguai tem direito a ter seu porto. “Usar nosso dinheiro, que é escasso, para gerar empregos e riquezas lá e ainda fomentar a competição com nossos portos é inaceitável”, criticou o empresário.

    O convidado informou, ainda, que a carga movimentada nos portos uruguaios em 2010 foi de 23 milhões de toneladas. “Com o projeto anunciado, a previsão é de movimentação de 80 milhões de toneladas/ano. Vocês acham que o Uruguai irá produzir isso? É claro que não. Será um porto de águas profundas, com 60 pés, para receber meganavios, também da Ásia e da África. Terá calado e menos burocracia. É claro que eles estão visando aos contêineres e granéis dos portos de Buenos Aires, Rio Grande, Santa Catarina, Paranaguá, e até de Santos”.

    Sobre o novo porto uruguaio, o presidente da ABTP foi direto: “Rocha vai ser extremamente competitivo. Vai sugar as cargas de nossos portos, enquanto o Brasil ainda precisa desenvolver-se, mas isso não acontecerá se formos priorizar outros portos em detrimento dos nossos. Precisa haver uma pressão da sociedade do Rio Grande, entidades empresariais e trabalhadores. Todos precisam manifestarem-se, porque se ficar só meia dúzia pressionando, não vai adiantar nada”, resumiu.

    Fonte: Karoline Ávila – Jornal Agora
    ________________________________________________________
    Curta o Blog no Facebook
    Siga o Blog no Twitter
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)




    Comentários