“Pelotas como eu quero”: um final de semana para pensar a cidade do futuro

    Como a população enxerga a Pelotas de hoje? E o que estas pessoas querem pro futuro da cidade? Diversos assuntos fazem parte do debate quando se pensa na Pelotas que nossos filhos e netos vão conhecer. Mobilidade urbana, sustentabilidade, qualidade de vida, convívio são alguns dos grandes desafios da vida nas cidades. Palavras tão em moda, tão faladas, tão repetidas e ao mesmo tempo tão vazias. Palavras que, dosadas, podem fazer a diferença. E quando ecoadas, significam muito.

    Pois é pra discutir tudo isso e muito mais que nos dias 29 e 30 de novembro acontece o Pelotas como eu quero, um final de semana com workshops, palestras, oficinas, música, comida e diversão. Tudo à céu aberto, tudo gratuito e mais importante: tudo colaborativo. Serão as suas ideias que terão o poder de transformar a cidade.

    “Nossa ideia é reunir uma parte da população de Pelotas pra tentar desenhar o que se quer pra cidade”, explica Fabiano de Marco, sócio da Idealiza Urbanismo, empresa que teve a iniciativa do evento. “Queremos ajudar a tornar Pelotas cada vez mais uma cidade para as pessoas”, completa Ricardo Costa, sócio da empresa.

    HH 0004 14Q LANCAMENTO PAINEL LANCAMENTO 6X3MA programação começa no sábado, com um workshop de Co-criação que durante o dia todo vai desenhar a Pelotas de hoje e tentar projetar a cidade do futuro, levantando ideias e soluções criativas para a cidade. Simultaneamente, a oficina Teen reúne adolescentes entre 12 e 18 anos, pra saber o que eles querem da Pelotas de hoje e daqui a cinco anos.

    No final da tarde, Carla Link, Laura Sobral e Natália Garcia,* profissionais especializadas em pensar as cidades, em discutir inovação e espaços públicos fazem um relato dos movimentos que estão mudando o mundo – e consequentemente a forma de viver e conviver nas cidades.

    No domingo, a agenda segue com a oficina Põe no Papel: é o Visual Thinking ajudando a organizar as ideias pra colocá-las em prática. E pras crianças também tem programação. A oficina Kids quer que os baixinhos desenhem a sua cidade.

    Nos dois dias tudo isso será temperado com a gastronomia dos chefs do Comida de Rua, com mostra de arte e design e com uma trilha sonora pra lá de inspiradora.

    O Pelotas como eu quero é uma realização da Idealiza Urbanismo, com apoio da Prefeitura de Pelotas.

    O que: Pelotas Como Eu Quero
    Quando: 29 e 30 de novembro
    Onde: Lobo da Costa (em frente à Praça Coronel Pedro Osório)
    Horário: Sábado, das 9h às 20h; domingo das 9h às 18h
    Quanto: gratuito
    Informações e inscrições: www.pelotascomoeuquero.com.br 

    * Quem são:

    Natália Garcia – Cidade para pessoas

    Jornalista especializada em planejamento urbano, com gosto por ouvir e contar boas histórias. Idealizadora do Cidade para Pessoas, primeiro projeto jornalístico do Brasil financiado por crowdfunding, com o qual visitou 12 destinos pelo mundo em busca de boas iniciativas urbanísticas.

    Laura Sobral – Largo da Batata, intervenções urbanas.

    Arquiteta, urbanista (FAU USP e Universidad Politecnica de Madrid) e transformadora. Ela já realizou intervenções urbanas no Brasil e no exterior (Berlim, Bucareste, Madrid).  Hoje desenvolve projetos culturais com foco na apropriação efruição do espaço público por meio de instalações, explorando a integração entre arte, design e arquitetura. Por exemplo, em São Paulo é parte do coletivo responsável pelo movimento “A Batata Precisa de Você”, que propõe um novo uso do espaço público.

    Carla Link Federizzi

    Mestre em Design Estratégico, pela Unisinos-RS. Atuou por 10 anos na área de Estratégia de Comunicação e atualmente trabalha como consultora de design, focada em projetos de Inovação Social. Sua dissertação teve com o título “Design para Inovação Social: a cidade feita pelas pessoas”, com estudo de caso sobre o “Coletivo Ocupe & Abrace”. O O&A nasceu para ocupar a Praça da Nascente, no Bairro da Pompeia, de forma amorosa e responsável, valorizando às nascentes e o verde e gerando ações sustentáveis e culturais.




    Comentários