Altos custos de produção preocupam os arrozeiros

    Apesar do cenário de bons preços para o arroz, que chegam a R$ 38,00 a saca no mercado gaúcho, os produtores estão apreensivos com os custos de produção nas lavouras. A avaliação é do presidente da Federação das Associações dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles. A entidade é organizadora da 25ª edição da Abertura Oficial da Colheita do Arroz, que ocorre de 5 a 7 de fevereiro no município de Tapes.

    Conforme Dornelles, o evento será o momento de externar aos governantes a preocupação com os custos que prejudicam o setor. Ele afirma que serão apresentados estudos que mostram a realidade que os orizicultores enfrentam com a perda de rentabilidade devido a este fator. “Temos um cenário de bons preços, mas que inspira cautela devido aos altos custos de produção. Neste momento de abertura da colheita, queremos externar nossa preocupação com este item, que parece não inspirar nenhum tipo de cuidado das instâncias maiores. Traremos algumas considerações e apresentaremos uma pesquisa sobre custos de produção”, revela.

    Dornelles salienta que somente na energia elétrica, que pode representar quase 10% dos custos de produção, o reajuste chegou a 30%. Lembra também que diesel e mão de obra subiram, entretanto em escalada menor, mas não menos importante. “A sorte é que a evolução do dólar veio posterior à compra dos insumos como fertilizantes e químicos. Peças de reposição e lubrificantes possuem uma correção anual e hoje já é uma preocupação, mesmo para empresários de grande porte com maquinário atualizado. Assim, a formação da próxima lavoura vai ser um ponto extremamente crítico. Para agravar a situação, assuntos considerados superados retornam à pauta das entidades e lideranças. A subvenção do seguro agrícola oficial está sob risco, podendo agravar ainda mais uma situação que já é delicada”, ressalta.

    A estimativa para este ano é que a colheita do arroz chegue a 8,29 milhões de toneladas, conforme as últimas estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o que representa 2,2% a mais do que a safra anterior. A área total cultivada no Rio Grande do Sul é de 1,11 milhão de hectares de acordo com o Instituto Riograndense do Arroz (Irga). Atualmente, os gaúchos produzem 65% do total do arroz cultivado em todo o País.




    Comentários