IMPLANTAÇÃO DE MEGAUSINA É ALENTO DEPOIS DE PROBLEMAS NO PÓLO NAVAL

    AVANÇA TÉRMICA DE R$ 3 bi EM RIO GRANDEcandiota-iii

    Marta Sfredo -Z.H.

    Depois da difícil semana passada, esta embute um alento para Rio Grande – a cidade e o Estado. Dono do projeto de construção de uma megausina térmica no primeiro polo naval gaúcho, o Grupo Bolognesi acaba de contratar um consórcio formado pelas empresas Duro Felguera e General Electric (GE) para a construção da unidade. A mesma dupla será responsável pela implantação da outra termelétrica do grupo, em Novo Tempo (PE).

    As duas tiveram geração futura contratada em leilão de 2014 e precisam começar a entregar energia no sistema em janeiro de 2019. O contrato foi fechado na modalidade turn-key (para girar a chave, em tradução livre). Isso significa que o consórcio entrega tudo prontinho, incluindo engenharia, suprimento, construção, comissionamento e testes de desempenho. Cada usina terá potência instalada ao redor de 1,3 mil MW.

    O investimento total é de R$ 6,5 bilhões e deve gerar mais de 20 mil empregos no Sul e no Nordeste. Cada usina consumirá 5,5 milhões de metros cúbicos diários de gás, que serão obtidos depois que o gás natural liquefeito (GNL) importado passar por navios regaseificadores ancorados em terminal situado ao lado da unidade.

    Esse projeto havia sido lançado em 2009, mas até novembro do ano passado não conseguira garantir a venda antecipada de energia, que permite financiar a construção. Como a exploração do shale gas (conhecido no Brasil como gás de xisto) nos Estados Unidos reduziu os preços internacionais, o plano ficou mais competitivo e emplacou. Um último obstáculo foi vencido há um mês, quando a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) definiu que a licença prévia do projeto original seria admissível, mesmo com alterações posteriores.

    Conforme a secretária do Meio Ambiente e presidente interina da Fepam, Ana Pellini, falta agora só o empreendedor completar a documentação necessária ao encaminhamento da licença de instalação, necessária para iniciar as obras. E estima: – Dado o vulto do empreendimento, vamos dar prioridade. Assim que tivermos os documentos completos, a licença de instalação pode sair entre 20 e 30 dias.




    Comentários