ESTADO DEVE PROVIDENCIAR LICITAÇÃO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO ENTRE RIO GRANDE E SJN

    transporte aqua

    Do Jornal Agora – Rio Grande

    O Estado do Rio Grande do Sul deverá providenciar, no prazo de 60 dias, a publicação de edital licitatório para a concessão do serviço de transporte aquaviário entre os municípios do Rio Grande e de São José do Norte. Liminar, nesse sentido, foi deferida pelo Poder Judiciário da Comarca do Rio Grande, atendendo pedido formulado pelo Ministério Público. A mesma decisão deu um prazo de 180 dias para que se ofereça a ordem de início da prestação do serviço. Caso a decisão seja descumprida, foi arbitrada uma multa diária de R$ 2 mil, a ser revertida em favor do Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.

    De acordo com a petição inicial, assinada pelos promotores de Justiça José Alexandre Zachia Alan e Fernando Gonzalez Tavares, a empresa F. Andreis e Cia Ltda. vem exercendo o serviço de transporte aquaviário desde o ano de 1978, através de autorização administrativa que lhe foi outorgada pela antiga Superintendência Nacional da Marinha Mercante – Sunamam. Portanto, não havia contrato de concessão e processo licitatório antecedente.

    O Ministério Público recebeu comunicação do prefeito de São José do Norte, informando que a empresa estudava um reajuste das tarifas cobradas na travessia realizada por meio de balsas e lanchas entre aquele município e Rio Grande. O transporte de veículos, feito por balsas, efetivamente foi majorado sem a concordância do órgão estatal que lhe autorizara a funcionar. Este órgão seria a Agergs. Dessa forma, foi descoberto que o serviço em questão é prestado sem qualquer contrato de concessão e que não há processo licitatório antecedente.

    Na decisão liminar, a juíza Dóris Müller Klug destacou que “é forçoso concluir, portanto, que, não havendo o processo seletivo, resta subvertida a ordem constitucional e infraconstitucional, que já vigora há bastante tempo. Também é imperioso destacar que a inércia da Administração Pública configura o desatendimento aos princípios da moralidade, probidade e legalidade, todos insculpidos na Constituição Federal”. A reportagem do Jornal Agora tentou contato com a empresa F. Andreis, porém, sem sucesso. A pessoa responsável pela empresa está em viagem e não houve autorização para informar o número para contato telefônico.

    Foto: Fábio Dutra / Jornal Agora

     




    Comentários