ESTADO FORMALIZA CONTRATO PARA NOVO TERMINAL DE MADEIRA NO PORTO DE PELOTAS

    porto de pelotas 2

    O governador José Ivo Sartori assinou, nesta terça-feira (10), em ato no cais público do Porto de Pelotas, contrato de uso temporário entre a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) e a CMPC Celulose Riograndense. A empresa utilizará 23.510 metros quadrados de área pública do Porto de Pelotas para instalar terminal de toras de madeira.

    O investimento em infraestrutura é de cerca de R$ 5 milhões. Foram adquiridos dois guindastes e duas balanças novas para o Porto de Pelotas, com capacidade de até 100 toneladas cada uma. Com a nova operação, a movimentação do cais público do Porto de Pelotas passa da média atual de 45 mil toneladas para 1,2 milhão de toneladas ao ano.

    “É com parceria e disposição que vamos vencer as dificuldades. Um passo importante é este contrato. Com isso, estaremos impulsionando a economia de Pelotas e da Zona Sul. Este projeto significa mais emprego, renda e desenvolvimento social e econômico”, afirmou o governador.

    Sartori ressaltou que exemplos como o do terminal de madeira de eucalipto, produzida na Região Sul, é um exemplo do Rio Grande que dá certo, avança e prospera. “Queremos e estamos trabalhando para destravar a burocracia e tornar o Estado mais ágil, sustentável e com serviços qualificados. Por isso, reafirmo, só não investirá no Rio Grande do Sul quem não quiser.”

    O secretário dos Transportes, Pedro Westphalen, afirmou que a operação vai incrementar o uso das hidrovias, liberando as rodovias. “Usando a hidrovia do canal São Gonçalo, da Lagoa dos Patos e de Guaíba, 40 mil jamantas de 30 mil toneladas cada deixarão de trafegar pelas rodovias do Estado, por ano.”

    O prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, afirmou que essa operaçao é estratégica para atrair novos projetos para o porto. De acordo com o  secretário de Desenvolvimento Ciência e Tecnologia, Fábio Branco, “este investimento vai agregar valor à matéria prima produzida na região, e a operação vai potencializar o canal hidroviário da Lagoa dos Patos”.

    O contrato foi autorizado pela Agência Nacional de Transporte Aquaviários (Antaq). A duração é de 18 meses prorrogáveis pelo mesmo prazo. A SPH tem um Termo de Compromisso Ambiental (TCA) com a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), que permite ao Porto de Pelotas receber investimentos deste porte e, posteriormente, liberar a licença de operação com condicionantes.

    A operação e sua logística 

    De acordo com a CMPC Celulose Riograndense, serão gerados aproximadamente 800 postos de trabalhos, sendo 100 no Porto de Pelotas. O diretor do Porto de Pelotas, Cláudio Oliveira, afirma que este é o maior contrato dos últimos 30 anos.

    O diretor-presidente da SMPC Celulose Riograndense, Walter Lídio Nunes, afirmou que a operação terá início em março de 2016. A logística será a seguinte: a madeira chegará de caminhão no cais público, onde as barcaças serão carregadas e seguirão pelo canal São Gonçalo até a Lagoa dos Patos, indo até a fábrica da empresa em Guaíba. De lá, as barcaças serão carregadas com a celulose e vão direto para o Porto de Rio Grande.




    Comentários