USINA TÉRMICA DE CARVÃO SERÁ CONTRUÍDA NO RS ATRAVÉS DE PARCERIA COM JAPONESES

    Reunião delegação japonesa

    Secretário do Trabalho se reúne com empresários japoneses e conhece projeto de instalação de usina térmica de carvão no RS

     

    A primeira usina térmica de carvão de alta eficiência da América Latina será construída no Rio Grande do Sul, para a geração de energia. O projeto foi apresentado por uma delegação de empreendedores japoneses durante almoço realizado nesta terça-feira (5), na Federasul.  A ideia surgiu de através de parceria entre empresários e governo japoneses, que há um ano analisa a qualidade das reservas de carvão existentes no Estado. A previsão é que em 2018 a usina já esteja em pleno funcionamento.

     

    Reunidos com os empresários, o secretário do Trabalho e do Desenvolvimento Social, Catarina Paladini e o diretor da Copelmi Mineração Ltda., Roberto de Faria, receberam detalhes do projeto de construção da Usina. “A chegada desse projeto é resultado também, da visita que fizemos ao Japão, em janeiro deste ano, onde conhecemos a tecnologia avançada já utilizada naquele país. O Brasil já detém a produção de energia a partir do uso do carvão, mas o que os empresários estão trazendo para o nosso Estado, refere-se a inovação tecnológica e de aproveitamento da nossa matéria prima”, explicou o secretário. “Isso representa um numero expressivo de vagas de trabalho e o reconhecimento do potencial do nosso Estado.”

     

    O projeto está em fase de conclusão, para então dar início a construção Usina.  Desde que as pesquisas iniciaram, esta é a quinta vez que a comitiva vem ao Brasil para fazendo a averiguação do solo, material, licenciamento ambiental e conclusão do plano básico de implantação.

    Segundo Hiroshi Tomita, diretor da PWC Capital ProjectsandInfrastructure, empresa japonesa, a usina contará com a tecnologia mais eficiente do mundo, toda oriunda do Japão. “Viemos fazer a análise do carvão gaúcho, para encaminhar uma amostra para o Japão e foi constatado que é um minério de muita qualidade e, por isso, estamos muito empenhados em desenvolver essa ação”, ressaltou.

     

    INTERCÂMBIO

    Em janeiro deste ano, Catarina Paladini, então presidente da Frente Parlamentar de Mineração da Assembleia Legislativa, viajou ao Japão, acompanhado do secretário de Minas e Energia, Lucas Redecker, a fim de visitar usinas que utilizam o carvão como matéria prima para a geração de energia. “Foram dez dias de uma intensa experiência e aprendizado. O carvão utilizado pelos japoneses é o mesmo encontrado no Rio Grande do Sul. Nosso Estado conta com 90% das reservas de carvão do país. Precisamos avaliar os impactos e, através dessa inovação, ajudar o RS a superar a crise com desenvolvimento e perspectivas de longo prazo”, avaliou o secretário.

     

    Catarina explica que o governo japonês tem investido nas viagens tanto Brasil-Japão -Brasil, porque acredita que a concretização da usina seria uma forma de exportar a tecnologia dos japoneses e, também, um investimento em projetos de grande potencial. “É um bom momento para reestabelecermos uma relação econômica, política e comercial com o Japão. O nosso Estado tem potencial e devemos aproveitar a oportunidade para criar novas perspectivas para o Estado”, concluiu.

     

    O empreendimento é desenvolvido pelas indústrias japonesas: IHI Corporation, Tepco e a PWC.




    Comentários