GOVERNO GAÚCHO QUER AMPLIAR NEGÓCIOS, PESQUISAS E INOVAÇÃO COM FRANCESES

    Governador falou para empresários brasileiros e franceses, na Embaixada do Brasil em Paris - Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini

    Governador falou para empresários brasileiros e franceses, na Embaixada do Brasil em Paris – Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini

    No encontro com empresários brasileiros e franceses, ontem, quinta-feira (20), na Embaixada do Brasil em Paris, o governador José Ivo Sartori destacou que o Rio Grande do Sul pretende ampliar as relações com a França e atrair novos empreendimentos. Para isso, o governo implementou um modelo de gestão e governança, baseado em indicadores e metas, que torna os processos mais ágeis, como no caso dos licenciamentos ambientais, e desburocratiza a máquina pública.

    “Estamos abertos ao diálogo, aos novos empreendimentos, sem deixar de lado a sustentabilidade. Para isso buscamos tornar o Estado mais moderno, sustentável e com serviços mais qualificados. Nossa agenda deve incluir temas como inovação e qualificação do nosso capital – humano, social e econômico”, afirmou o governador.

    O presidente da Fiergs, Heitor Müller, reafirmou a disposição do Rio Grande do Sul para intensificar as relações com a França e formar novas parcerias. O estado responde por cerca de 65% da produção de máquinas e implementos agrícolas do país, tem o segundo polo metalmecânico da América Latina, e centros de inovação. Entre os segmentos de interesse apresentados pelo embaixador do Brasil na França, Paulo César de Oliveira Campos, estão os setores da chamada indústria 4.0, energias renováveis e do setor agrícola, responsável por puxar a economia do Estado.

    As potencialidades do Rio Grande do Sul foram apresentadas pelo presidente da Fundação de Ciência e Tecnologia, Marc Richter, que falou também de universidades, incubadoras e polos tecnológicos, além de pesquisas que são desenvolvidas no estado. Nos próximos dias, Richter segue para a Alemanha para articular parcerias com instituições de pesquisa.




    Comentários