BR-116 E CONTORNO DE PELOTAS TERÃO EMENDAS NO ORÇAMENTO

    O deputado federal Afonso Hamm em reunião com o Ministro dos Transportes, Mauricio Quintella (na poltrona), e o diretor-geral do DNIT, Valter Silveira. Participaram também do encontro o relator geral do Orçamento, senador Eduardo Braga e o presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputado Artur Lira.

    As obras para duplicação da BR 116, entre Guaíba a Pelotas e as do contorno entre Pelotas a Rio Grande estão inseridas na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017. A informação foi repassada à Rádio Universidade, Programa Pelotas Treze Horas, pelo deputado federal Afonso Hamm, que obteve a confirmação após diversas tratativas com o relator geral do Orçamento, senador Eduardo Braga, com o presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputado Artur Lira, com o ministro do Transporte, Mauricio Quintella e com o diretor-geral do DNIT, Valter Casimiro Silveira. Nesta quarta-feira, foi aprovado o orçamento na Comissão Mista de Orçamento (CMO), quando os deputados acolheram a proposta do relator.

    Afonso Hamm tem se empenhado nas últimas semanas para que estas obras estratégicas tivessem a rubrica orçamentária, bem como, o acréscimo dos valores previstos para 2017. Assim, o deputado garantiu para a conclusão da duplicação na BR 116, o total de R$ 61 milhões e 53 mil. Para o relator setorial, esta obra tinha previsionamento de R$ 46 milhões e 53 mil.

    Outra conquista relatada pelo deputado, é que a adequação do trecho rodoviário do contorno de Pelotas, que inicia no acesso à Fenadoce até a ponte para Rio Grande, na BR 392, que tinha previsão orçamentária pelo relator setorial, de R$ 2 milhões  passou para R$ 15.000 milhões. Hamm destaca que estas obras são de extrema importância para o Estado, em especial para zona sul, no que se refere as melhorias de trafegabilidade o que irá oportunizar mais segurança e salvar vidas.  Após aprovação na CMO, o relatório deverá ser votado nesta quinta-feira durante sessão do Congresso Nacional e após irá para sanção do presidente da República, Michel Temer.




    Comentários