CÂMARA INICIA CONSTRUÇÃO DE PRÉDIO E APROVA TAXA DO LIXO

    O lançamento da pedra fundamental do prédio próprio da Câmara de Vereadores, na manhã desta sexta-feira, 30/12, foi marcado pelo otimismo do presidente da Casa, Ademar Ornel (DEM) e do prefeito Eduardo Leite. Nas palavras proferidas, ambos concordaram sobre a importância de o Legislativo finalmente ter sua sede, o local construído para atender as demandas da população.

    Ornel lembrou que houve várias tentativas de encontrar um local adequado e dentro das condições financeiras do Legislativo, que nos últimos quatro anos criou um fundo para a construção do prédio. Ele também agradeceu ao prefeito pela destinação do terreno, localizado na Avenida Bento Gonçalves, ao lado das oficinas do Sanep.

    O presidente recordou a colaboração do vereador Marcus Cunha (PDT) que propôs a construção de um prédio ecologicamente sustentável, com telhado verde e utilização da água da chuva. Também agradeceu o apoio de todos os parlamentares e da diretora da Casa.

    “Como ex-vereador e atual prefeito, me sinto satisfeito de colaborar com a definição do prédio”, afirmou Eduardo Leite. Ele aproveitou o momento para agradecer pelos quatro anos de convivência com o Legislativo. “Tivemos nossas discussões, mas chegamos ao final numa relação republicana para o melhor interesse da cidade”.

    CÂMARA APROVA TAXA DO LIXO

    Por 11 votos a favor e nove votos contrários, o Legislativo aprovou, às 18h45 da sexta-feira, 30/12, na última sessão extraordinária da 19ª Legislatura, a taxa do lixo que será cobrada da população pelotense a partir de 2017.

    Votaram a favor da taxa os vereadores: Luiz Henrique Viana (PSDB), Tenente Bruno (PTB), Edmar Campos (PSDB), Anderson Garcia (PTB), José Sizenando (DEM), Rafael Amaral (PP), Velocino (PDT), Marcão (PMDB), Waldomiro Lima (PRB), Roger Ney (PP) e Idemar Barz (PTB).

    Foram contra a taxa do lixo: Ivan Duarte (PT), Beto Z3 (PT), Marcos Ferreira (PT), Marcus Cunha (PT), Ricardo Santos (PCdoB), Dila Bandeira (PSDB), Professor Adinho (PDT), Toninho Peres (PSB) e Vitor Paladini (PMDB).




    Comentários