DUPLICAÇÃO DA BR-116 “ESTÁ NA LISTA DE PRIORIDADES”, DIZ SECRETÁRIO DO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES

    DA ZERO HORA

    Luciano de Souza Castro sinalizou que obra pode receber verba remanescente de outros projetos de infraestrutura no segundo semestre

    Diante da mobilização em torno da duplicação da BR-116, o Ministério dos Transportes sinalizou que a obra está entre as prioridades para este ano. O secretário de gestão dos programas de transportes da pasta, Luciano de Souza Castro, disse que a rodovia pode receber verba decorrente do remanejo de investimentos em outros projetos no segundo semestre.

    — A partir de agosto, quando tradicionalmente se faz uma avaliação do andamento das obras, aquelas que não tiverem um desempenho satisfatório poderão ter recursos remanejados para otimizar a aplicação de verba. A BR-116 está na lista de prioridades — disse.

    O secretário, que participou, na segunda-feira, de audiência pública sobre o projeto na Assembleia Legislativa, também assegurou que, para 2017, o repasse no valor previsto para a obra está garantido — ao todo, o orçamento indica R$ 74 milhões. Entretanto, Castro admite que, para a liberação de parte da rodovia ao trânsito, seria necessário, no mínimo, o incremento de mais R$ 100 milhões.

    — A BR-116 não é uma BR só do Rio Grande do Sul, é uma BR nacional, e esse ainda é um trecho estratégico para o país em termos de escoamento de safra. Então, não se trata de um projeto de interesse só para os gaúchos, mas para o país — defendeu.

    Castro afirmou que, no próximo mês, irá pessoalmente ao trecho da rodovia em obras para realizar uma “avaliação rigorosa” com engenheiros do ministério. Segundo o secretário, também está em andamento no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) uma revisão nos 11 contratos do projeto, uma vez que há mudanças de preços entre os praticados na licitação e os atuais — nos casos em que os aditivos ultrapassarem 25% do valor inicial, terá de ser realizada nova licitação.

    — Alguns contratos têm de sofrer readequações, mas essa paralisação no projeto representa um prejuízo para as empresas, porque custa muito caro desmobilizar uma obra — queixa-se o presidente do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplanagem do Estado (Sicepot-RS), Ricardo Lins Portella Nunes.

    Iniciada em 2012, a duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas, está sem prazo para conclusão. Hoje, com repasse de recursos contingenciado pelo governo federal, somente um trecho está com obras em andamento, outros dois têm serviços executados em ritmo lento e os demais paralisaram.




    Comentários