ESPECIAL DE DOMINGO: DUPLICAÇÃO DA BR-116 SUL LEVA LIDERANÇAS À ASSEMBLEIA AMANHÃ

    Prefeita Paula Mascarenhas conduziu reunião que contou com prefeitos e representantes de mais de 20 entidades

    Um grupo de mais de vinte lideranças políticas e empresariais da região sul do Estado irá a Porto Alegre nesta segunda-feira para levar a questão da duplicação da BR-116 Sul à Assembleia Legislativa do RS. “Duplicar a BR-116 Sul é urgente para todos os gaúchos. Nossa mobilização é fundamental para que o governo federal compreenda a necessidade de fazer remanejos orçamentários para adiantar essa obra”, ponderou a prefeita Paula Mascarenhas.

    Os números falam por si. Morrem em média 40,4 pessoas a cada 100 acidentes frontais na rodovia, sendo 89% deste total em trechos de pista simples. As estatísticas são alarmantes: em 2014, foram 40 colisões frontais e 10 mortes; em 2015, 49 colisões frontais e 23 mortes; em 2016, 38 veículos se chocaram de frente e resultaram em 17 mortes. Nos trechos duplicados, contudo, houve queda gradativa de acidentes e mortes e, em 2016, chegou a zero o número de óbitos por colisão frontal na BR-116 Sul onde havia duplicação.

    Além das vidas sacrificadas, o Estado também perde recursos que poderiam ser investidos em outras áreas. O custo social de cada acidente com morte é de R$ 700 mil. Somente em 2016, foram gastos mais de R$ 39 milhões com os acidentes fatais. Esses números foram apresentados durante a reunião pelo chefe da 7ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal (PRF), José Dourado.

    O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) informa que, para concluir as obras de duplicação da BR-116 Sul seriam necessários pelo menos R$ 600 milhões. Com R$ 200 milhões, contudo, seria possível concluir cerca de 120 km de duplicação no trecho Guaíba-Pelotas, mas o governo federal já anunciou o repasse de apenas R$ 59 millhões em 2017. “Precisamos unir o Estado para fazer com que a União entenda a importância de remanejos orçamentários para que a gente possa chegar a esses R$ 200 milhões, ainda em 2017. O Rio Grande não pode esperar. Todas essas vidas que estão em jogo não podem esperar”, ponderou Paula.

    Presente na reunião, o deputado Luís Augusto Lara (PTB) disse que a capacidade de mobilização política da região sul é que vai fazer toda a diferença. Todos os presentes se comprometeram a contatar os senadores gaúchos e 15 deputados, de todos os partidos, para que se unam ao grupo com o intuito de sensibilizar autoridades e conseguir o remanejo orçamentário dos recursos federais.

    Também participaram da comitiva o prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer; a prefeita de Turuçu, Selmira Fehrenbach; o vice-prefeito de Camaquã, Jair Martins; o presidente da Câmara Municipal de Pelotas, Luiz Henrique Viana (PSDB); e representantes das instituições: Corede Sul; Azonasul; 8º BIMtz; Dnit; Associação Comercial; Associação Rural; Secovi;Cipel; Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (SHRBS) de Pelotas; Conssedi; Embrapa; Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas do Extremo Sul; Sindilojas; UCPel; Centro das Indústrias de Pelotas; Aliança Rio Grande; Câmara do Comércio de Rio Grande..




    Comentários